No dia 15 de novembro o mundo celebra o dia mundial da cannabis medicinal. No Brasil o dia nacional é dia 27 de novembro. Mas a data mundial foi definida muito antes, vou te contar a história.

Em 1994 ocorreram vários acontecimentos que desencadearam a proclamação do dia mundial da cannabis medicinal. Os acontecimentos são os seguintes:

11 de Setembro – A Organização Nacional para a Reforma das Leis sobre Maconha (NORML sigla em inglés) anunciou seu novo grupo de responsáveis. Essa mudança de diretores ocorreu decorrente de uma briga interna dentro da NORML que tentava enfrentar os ativistas pró cannabis. Por sorte naquele momento a nova diretoria foi formada por vários cientistas, incluíndo um ganhador de um Nobel.

17 de Setembro –  A NORML de Massachusetts celebrou a quinta manifestação anual a favor da legalização da maconha no Boston Common. Foi então que o editorial do Boston Globe publicou “A legalização da maconha para uso medicinal está muito atrasada faz tempo…”

19 de Setembro – Os democratas liberais passaram então a ser o primeiro partido político importante na Gran Bretaña ao apoiar oficialmente a legalização do consumo de cannabis.

30 de Setembro – O governador de California, Pete Wilson, vetou a legislação que iria permitir o uso medicinal da cannabis no seu estado. Wilson afirmou que não poderia assinar um projeto de lei pois a lei federal ainda proíbe o uso medicinal da erva.

2 de Outubro – Teve uma reunião em Place Berri, Montreal. O evento foi patrocinado pelo grupo Anti-Proibicionista de Quebec onde teve mais de 500 pessoas. No entanto sete pessoas foram presas pela polícia e acusadas de posse de cannabis.

5 de Outubro – La Sección 462.2 del Código Penal Canadiense fue anulada por la jueza Ellen MacDonald por ser inconstitucional. La sección 462.2 era la ley de censura viciosa que prohibía el pro-cannabis y cualquier otra literatura o parafernalia. El caso fue presentado por Umberto Iorfida de Canadá NORML.

5 de Outubro – A seção 462.2 do Código Penal Canadense foi anulada pela juíza Ellen MacDonald por ser inconstitucional. A seção 462.2 falava sobre a censura viciosa que proibia o ativismo a favor da cannabis e qualquer outra literatura ou parafernália. O caso foi apresentado por Umberto Iorida, do Canadá NORML.

13 de outubro – Bob Randall, que sofre de glaucoma e é um editor de livros sobre maconha medicinal, foi proibido de entrar na Grã-Bretanha com remédios de maconha. Randall é uma das oito pessoas nos EUA. UU que ela está legalmente autorizada a receber cannabis por prescrição, e ela estaria cega em poucos dias se deixassse de usar regularmente. Ele foi convidado a reunir-se com acadêmicos e políticos em Londres para discutir uma campanha para legalizar o uso medicinal da cannabis.

13 de outubro – Richard Branson, dono da Virgin Records, foi citado dizendo que: sua companhia aérea atual Virgin, varejo e lazer poderia vir uma empresa de cannabis se ela fosse legalizada e aprovada pelo British Medical Association.

19 de outubro – Um painel de juízes na cidade portuária de Luebeck determinou que a posse da provisão de quatro quilos de haxixe seria tratada como uma contravenção, em vez de um crime. Esta medida foi além de uma decisão emitida pelo Supremo Tribunal Alemão em abril, que descriminalizou pequenas quantidades de drogas pessoais, mas a determinação exata a ser definida pelas autoridades locais.

20 de outubro – os australianos realizaram protestos em todo o país em favor da cannabis em sete grandes cidades. Pelo menos quatro pessoas são presas na manifestação de Brisbane, realizada fora do parlamento de Queensland. Os protestos liderados pelo HEMP Austrália e pela NORML Australia. Um porta-voz explicou que o recente Relatório do Grupo Nacional de Trabalho sobre Cannabis descobriu que as atuais leis de proibição eleitoral fracassaram e que 75% dos australianos apóiam a descriminalização do porte pessoal e cultivo de cannabis.

25 de outubro – A polícia britânica anunciou que está investigando uma empresa que vende sais de maconha. A empresa, a Sunlight Systems, vende as sementes como isca para as fezes. Que se tornou um dos mais antigos do mundo.

1º de novembro – O presidente colombiano, Ernesto Samper, voltou atrás na promessa de realizar um referendo nacional a posse de pequenas quantidades de drogas. Em maio, a Corte Constitucional da Colômbia determinou que a posse de menos de 28 gramas de maconha, haxixe, cocaína não poderia ser proibida, argumentando que a proibição violava o direito constitucional ao livre desenvolvimento da personalidade. No entanto a venda de drogas permaneceu ilegal.

O Presidente Samper criticou a decisão e solicitou um referendo para reverter isso e mais de um milhão de assinaturas foram coletadas em petições que pediram um referendo, mas o vice-presidente Humberto de Calle afirmou que um novo referendo iria gerar muitos custos e por esse motivo não seria feita, no entanto colombianos foram às urnas quatro vezes em 1994 para uma variedade de escolhas.

7 de novembro – O presidente da Bolívia, Sánchez de Lozada, declarou em um relatório La Voz de América que ele acreditava pessoalmente que as drogas seriam legalizadas porque a proibição de substâncias para as quais há alta demanda nunca funcionou. Ele passou a dizer que, como presidente da Bolívia, ele não podia se dar ao luxo de defender essa posição porque a necessidade de legalizar as drogas era tomada nos países consumidores.

15 de novembro – A Federação de Cientistas Americanos pediu ao governo dos EUA que acelere a pesquisa sobre os usos medicinais da cannabis.

15 de novembro – Então foi proclamado o “Dia da Cannabis Medicinal” e manifestações foram realizadas em várias cidades no Canadá e nos Estados Unidos, incluindo Vancouver.

Escreva seu comentário

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here