Apoiomedicos maconha

O Secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, afirmou que a descriminalização das drogas no Brasil não pode passar deste governo. Para ele, a guerra às drogas é “perdida” e “irracional”. As informações são da revista Época.

José Mariano Beltrame, homem forte da segurança do Estado do Rio de Janeiro há mais de oito anos, nem na Europa consegue passear. Está a trabalho, em Portugal e na França. Num momento em que a descriminalização do uso de drogas é debatida no Brasil, no Supremo Tribunal Federal (STF), ele admira a estratégia do governo português para lidar com o problema. Beltrame falou a ÉPOCA sobre bandidos, policiais, cidadãos e drogas.

No Brasil, não pode passar deste governo a descriminalização do uso. A guerra à droga é perdida, irracional. Podemos começar pela maconha.

ÉPOCA – O que o senhor aprendeu nesta viagem?
​José Mariano Beltrame – Fiquei encantado com a descriminalização das drogas em Portugal. De todas as drogas, inclusive heroína, cocaína. O programa começou em 2000. No Brasil, não pode passar deste governo a descriminalização do uso. A guerra à droga é perdida, irracional. Podemos começar pela maconha. Convidei os portugueses para ir ao Brasil na Semana do Policial, em novembro, e contar a experiência de seu país. Em Portugal, o assunto “drogas” não está inserido na polícia, mas no Ministério da Saúde. Com a ajuda de juízes, procuradores, psicólogos, médicos, e integrantes da sociedade civil. A polícia pega o usuário e ele é convidado a participar de encontros. São 90 clínicas em Portugal, completas com toda a assistência, voluntários e visitas. E uma comissão fiscaliza isso. Todos se juntaram para combater essa doença, porque o vício é uma enfermidade, e não um crime. Sem vaidade, sem luta de poder.

Descriminalizando o uso, um dos efeitos é o alívio na polícia e no Poder Judiciário, que podem se dedicar aos homicídios, aos crimes verdadeiros.

ÉPOCA – No Brasil, estamos longe desse consenso…
Beltrame – No Rio, as UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) são uma forma de reconhecer o problema da droga, mas não abordar de uma forma belicista. Nunca foi nosso objetivo acabar com as drogas. É impossível. Parece que os brasileiros não acordam para o desperdício dessa guerra. Não existem vitoriosos. Descriminalizando o uso, um dos efeitos é o alívio na polícia e no Poder Judiciário, que podem se dedicar aos homicídios, aos crimes verdadeiros. Mas, olhe só: o governo federal está preparando um plano nacional de redução de homicídios sem consultar os Estados. Eu não fui consultado. Como não ouvir as secretarias estaduais para aprender com acertos e erros? Espero que o plano não envolva só questões policiais. Que venha com o foco de recuperar mecanismos sociais para prevenir a violência. A polícia nada mais é que a seta da ponta da flecha.

Aperte e Leia: Coronel da PM do RJ critica política de guerra às drogas: ‘Fracasso’

 

1 COMENTÁRIO

  1. O brasileiro precisa decidir se quer continuar com política de PRISÕES E ESCRAVIDÃO ou MERCADO E EMPREGOS… É uma questão de escolha… o mercado da canábis medicinal na Califórnia, em 2012, foi de 1,7 Bilhão de dólares…… dá para acabar com algumas favelas….

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here