Apoiomedicos maconha

Usando como base o alto índice de acidentes de trânsito pelo mundo todo ocasionados principalmente pela combinação álcool e direção, o proibicionismo levanta uma das suas bandeiras a qualquer sinal de legalização da erva: com a regulação da maconha, os números de acidentes dobrariam. Mas, segundo um estudo feito pela Gallup com norte-americanos, não é bem assim.

Uma pesquisa realizada pela Gallup revelou que a maioria dos norte-americanos acreditam que dirigir sob o efeito da erva não é perigoso.

Segundo o portal LiveScience, cerca de 70% dos entrevistados disseram que as pessoas que dirigem sob o efeito da maconha “não são um problema” ou representa apenas um pequeno problema, enquanto apenas 29% acredita que seja uma questão muito séria.

Entretanto, 79% das pessoas entrevistadas disseram que “dirigir embrigado é um problema muito sério”. Algo que os entrevistados estão certos sobre os perigos do álcool: Em 2013, quase um terço de todos os acidentes fatais, nos EUA, foram causados por intoxicação alcoólica, de acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças.

Mas será que é realmente seguro dirigir chapado?

Ao contrário da combinação álcool+direção, que foi responsável por quase um terço das mortes no trânsito nos EUA em 2013, a maconha não prejudica a capacidade de condução e não há dados que mostram que ela possa aumentar os acidentes, disse Benjamin Hansen, economista da Universidade de Oregon e do National Bureau of Economic Research, que estuda a legalização da maconha em relação aos acidentes automotivos. Além do mais, se as pessoas que normalmente optariam por ‘beber e dirigir’ trocassem a combinação por ‘maconha e direção’ estariam fazendo um bem para sociedade, acrescentou.

Para ser perfeitamente claro: É sempre mais seguro dirigir quando você está sóbrio, reitera Hansen.

Maconha prejudica a condução

Uma revisão de 60 estudos apresentados em 1995 na Conferência Internacional sobre Álcool, Drogas e Segurança no Trânsito mostram que a maconha prejudica todas as habilidades cognitivas necessárias para uma condução segura. Entretanto, a maconha não parece ser tão perigosa como o álcool.

Aperte e Leia: Maconha é 114 vezes mais segura que o álcool, revela estudo

Os prejuízos cognitivos causados pela maconha são correlacionados apenas com reduções modestas em termos de desempenho em testes de direção, de acordo com um estudo de 2009, publicado no American Journal of Addictions.

Um estudo, publicado no mês passado pela ‘Drug and Alcohol Dependence’, mostrou que os condutores que usaram maconha eram mais propensos a dirigir em ziguezague em relação a quem estava sóbrio, porém não costumavam sair da pista ou acelerar em excesso. Já os condutores embriagados, por outro lado, costumavam ter essas três atitudes.

Leia também: Pesquisa sugere que risco de acidentes é baixo em motoristas sob efeito da erva

Fiscalização Complicada

A ligação entre maconha e acidentes de transito ainda é mais frágil. Por exemplo, embora um estudo de 2010 tenha constatado que 11% dos condutores mortos em acidentes tinham ingeridos pelo menos um fármaco, a relação com a maconha não é clara. Esses motoristas não estavam necessariamente consumindo maconha, e até mesmo se eles tinham traços da substância em seu organismo, isso não significa que eles estavam sob efeito no momento, disse Hansen.

Não há nenhuma forma de medir a presença da maconha com um bafômetro, por isso pesquisadores usam exames de sangue, mas as concentrações sanguíneas de THC, o composto psicoativo da planta, pode permanecer persistentemente em usuários regulares. Assim, a presença de algum resquício da droga no sangue não quer dizer que o sujeito estava sob efeito no momento de um acidente.

Além do mais, diversos estudos sugerem que os usuários de maconha podem efetivamente compensar suas deficiências.

As pessoas que estão bêbadas, “estão prejudicadas fisicamente mesmo elas acreditando que não estão”, disse Hansen. “Eles vão dirigir mais rápido, eles vão seguir os carros em distâncias menores e vão tomar decisões precipitadas.”

Por outro lado, as pessoas que estão chapadas – sob o efeito da erva, são mais avessos ao risco e de superestimarem sua deficiência. Por exemplo, a pessoa que fuma 1/3 de um baseado vai dizer que está prejudicado, mesmo quando exames de condução não mostram tais efeitos.

“Eles vão dirigir mais devagar, vão manter distâncias maiores entre carros, vão executar algumas ações que pelo menos compensem o fato de estarem chapados”, disse Hansen.

Em um estudo de 2013, publicado no Journal of Law and Economics, Hansen e seus colegas descobriram que no ano após a aprovação do uso medicinal da maconha as mortes no transito reduziram. Os maiores índices de redução foram encontrados nos acidentes noturnos e na combinação álcool e direção.

Hansen e seus colegas acreditam que a maconha pode estar realmente diminuindo os acidentes porque mais pessoas, que estariam normalmente bebendo, estão substituindo o álcool pela maconha.

Por mais que o campo das pesquisas sobre o tema estejam avançando, a equipe #SmokeBud recomenda que toda direção seja consciente. Se estiver chapado não dirija!

8 COMENTÁRIOS

  1. Dirigir chapado nunca me fez querer acelerar, pelo contrário, dirigia muito relaxado e prestando atenção em tudo.
    Já quando bebia e dirigia a auto confiança reinava, eu “achava” que me transformava em um piloto de corrida. Isso é uma das coisas que o Álcool faz para que as pessoas matem tanto no trânsito.

  2. Eu fiz a prova pratica pra tirar da minha CNH chapado e não deu nada, e isso depois de ter reprovado duas vezes careta mas eu ficava muito nervoso ai na terceira fumei um pra relaxar e passei, então acho que não e problema

  3. Ja dirigi brisado ‘ e muito pelo contrario do alcool que voce pensa que ta no velozes e furioso. voce brisado de maconha voce dobra a atençao, nao sei voces mais ate pra comer faixa eu tava atendo nao deixava o carro ir pro lado atençao nos retrovisores etc
    kkkkkkkk ‘ e nunca foi problema

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here