Parece que o bom senso do nosso Brasil foi por água abaixo. Ontem a tarde (31) o senador José Medeiros (PSD-MT) provocou uma discussão ao afirmar que “boa parte” dos alunos que está ocupando escolas pelo país não está protestando contra a reforma do ensino médio e a proposta que estabelece um teto para os gastos públicos federais. Eles estão lá “para fumar maconha”.

O parlamentar mal-intencionado disse ainda que há estudantes que criticam a definição de um limite para as despesas públicas sequer leu o texto da Proposta de Emenda à Contituição (PEC). Mas para nós que estamos acompanhando, notamos que ele não sabe como o movimento estudantil é organizado e parece ter ignorado o discurso da garota de 16 anos, Ana Julia Ribeiro, que refuta todos esses argumentos imbecís, dignos de um acéfalo.

A União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) contabilizou que havia 1.154 ocupações em escolas, institutos e universidades estaduais, federais e municipais.
Agora pare e pense, qual é o sentido dessas escolas serem ocupadas por maconheiros?Qual é o sentido de pessoas pararem todos os seus afazeres para protestar?

A perola do senador é “Eu vou te falar uma coisa: desses meninos que estão na escola, boa parte, tem uns lá que é para fumar maconha. Estão indo lá para fumar maconha e matar os outros. Acabaram de matar um”, discursou José Medeiros no plenário do Senado.

O parlamentar não pode continuar muito com a sua teoria furada, pois felizmente, existe gente que entende as lutas sociais.

“Que desrespeito! O que é isso, senador?”, protestou Fátima Bezerra.

“Senador Medeiros, isso é um absurdo”, exclamou Lindbergh Farias.

Infelizmente esse é o pensamento de muitos dos eleitos, como o recém-eleito prefeito do Rio. Nesse caso, Fátima Bezerra pediu a palavra para dizer que repudiava as declarações do colega de Senado.

“Não repita mais isso! Não venha mais aqui agredir estudantes! Não use mais o microfone desta Casa para insultar estudantes, para humilhar estudantes, para desrespeitar estudantes! É um desserviço à luta em defesa da educação do país”, reclamou.

O universo não tem limites, a estupidez humana também não.

Aqui nas terras tupiniquins temos inúmeras pessoas gerando desinformação todos os dias, fazendo a população brigar com a própria população, estereotipando e desviando o foco do grande acontecimento. Os poucos direitos que nós, cidadãos temos, estão sendo sorrateiramente retirados.

O que é realmente foda e povo não se liga é que não dá pra contar mais nos dedos o número de gente gerando desinformação e dividindo a sociedade. Movimento Brasil Livre, Janaina Paschoal, Cunha, Crivella, Osmar Terra, Malafaia, Beto Richa, Michel Temer… a lista é longa…

Mas o problema não são eles, é quem dá razão pra essas pessoas!
Quem vota em um parlamentar assim? Quem não vota, na esperança que as coisas se resolvam e o sistema mude? Pois é, mas se não há um eleito, ninguém está lá para mudar.

#PenseNisso

‘Manifestação legítima’
Na manhã da última segunda-feira, durante audiência pública destinada a debater eventuais impactos da PEC do teto de gastos na área da educação, a estudante paranaense Ana Júlia Ribeiro, 16 anos, defendeu que é “legítima” a manifestação dos estudantes por meio da ocupação de escolas.

Convidada a participar nesta segunda de uma audiência pública na Comissão de Direitos Humanos do Senado, ela ressaltou que o movimento secundarista não tem ligações com partidos políticos.

“Queremos escolas para todos, com infraestrutura, uma escola que passe para a gente o ensino da cidadania”, disse a estudante do Paraná.

Ana Júlia também disse que os estudantes que ocuparam centenas de escolas pelo país têm sofrido “repressão violenta” de pessoas contrárias ao movimento.

“Infelizmente, nós temos sofrido repressão de movimentos contrários. E a repressão está sendo violenta. Repressão que, na calada da noite, passa nas escolas. Repressão que passa com som alto, tocando o Hino Nacional, como se nós não respeitássemos o Hino”, destacou a estudante.

A aluna paranaense também afirmou que os parlamentares que votarem a favor da PEC do teto ficarão com as “mãos sujas” por 20 anos.

“Em relação à PEC 55, a antiga PEC 241, eu quero dizer uma coisa: aqueles que votarem contra a educação estarão com as mãos sujas por 20 anos”, complementou a estudante, sob aplausos dos parlamentares e convidados da Comissão de Direitos Humanos.

 

 

O que podemos fazer?

Mande um email pra ele e fale o quão errado está o pensamento dele, josemedeiros@senador.leg.br.
Telefones:(61) 3303-1146 / 1148
FAX:(61) 3303-6554

Escreva seu comentário

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here