Apoiomedicos maconha

O último dia do IV Simpósio sobre Cannabis Medicinal pode ser considerado um marco na discussão nacional sobre o uso medicinal da maconha. A cobertura do evento é do colaborador Léo Sativa, exclusivamente para o SmokeBud.

SÃO PAULO, 17 DE MAIO – O IV Simpósio Sobre Cannabis Medicinal encerrou-se neste sábado com a participação de duas importantes autoridades que estão participando do debate acerca da maconha medicinal. O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) e o secretário da SENAD (Secretaria Nacional de Políticas de Drogas) Vitore Maximiano.

simpoO deputado Paulo Teixeira afirmou o fracasso da Guerra às Drogas e elogiou o doutor e diretor do CEBRID, Elisaldo Carlini, que foi aplaudido em pé pela platéia. O deputado, tomando como exemplo a regulamentação uruguaia da cannabis esclareceu: “Nós precisamos tratar esse tema no Brasil, mas eu achei que não era conveniente fazer isso neste ano tendo em vista a repercussão eleitoral”. O deputado será o relator dos dois Projetos de Lei sobre a regulamentação da erva no país – uma proposta por Jean Wyllys e outra por Eurico Junior. Katiele, mãe da menina Anne que importou CBD para o tratamento de sua filha rebateu a afirmação do deputado, pois acredita que o CBD já deveria estar acessível aos pacientes: “Eu peço que façam pressão na ANVISA para que eles percebam os desesperos das famílias!” desabafou a mãe, que recebe centenas de mensagens de outras mães com o mesmo problema.

Suavizando o desespero comentado por Katiele, Vitore Maximiano afirmou que “A mudança de lista [do CBD] “desbucratizará” de maneira a facilitar o acesso a esses medicamentos. A importação também será “desbucratizada”, pois não haverá mais necessidade de procurar a ANVISA”.
Indagado pelo SmokeBud se o Brasil, ao invés de utilizar essa quantidade confusa, para leigos, de listas, não poderia criar uma lista direta apenas para a cannabis, o secretário disse que “Existe uma internacionalização de diretos e ao pactuarmos com as convenções sobre drogas, o Brasil assume compromissos internacionais. Não podemos simplesmente rasgar estas importantes conquistas. Não é o Brasil que está refém das conseqüências de uma política que pode ser uma política equivocada de guerra às drogas, o Brasil está dentro deste contexto” explicou Vitore.

Ao termino do evento, Elisaldo Carlini, conversou rapidamente com o SmokeBud. “Uma coisa foi muito importante, eu já organizei, participei de dezenas e dezenas de simpósios e congressos e pela primeira vez, foi ideia da gente [CEBRID e Maconhabras] de trazer o paciente aqui, descobri tarde demais o que era importante fazer. Sem sombra de dúvidas o sucesso foi os relatos dos pacientes!”. Perguntado se haverá o 5º evento Carlini disse “Não, não, não, chega!” e saiu com um sorriso de dever cumprido.

Thais Carvalho, paciente curada de câncer no ovário e convidada pelo simpósio para falar de seu tratamento via cannabis para os efeitos da quimioterapia falou sobre o evento. “A teoria foi ótima e esclarecedora, mas quero saber se na prática vai funcionar, infelizmente a maioria dos médicos brasileiros não apóia essa causa”.

O evento sem dúvidas gerou atitudes a favor do uso medicinal da maconha no país. As duas autoridades presentes neste último dia de simpósio mostraram que o país possui pessoas interessadas e a favor do tema.

Aperte e confira o que rolou no primeiro dia do IV Simpósio Sobre a Cannabis Medicinal

Aperte e confira o que rolou no segundo dia do IV Simpósio Sobre a Cannabis Medicinal

*Léo Sativa é um radialista formado em São Paulo que promove e produz informação relacionada à maconha no Brasil – sativaleo@gmail.com

IMG_0596 IMG_0610 IMG_6381 IMG_6387

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here