Apoiomedicos maconha

A medida que a legalização avança em solo americano mitos e falácias proibicionistas vão caindo diante dos resultados de novas pesquisas. Fumar maconha pode ser ainda mais seguro do que se pensava anteriormente, dizem pesquisadores. O estudo sugere que esforço contra a legalização seja concentrado no álcool e tabaco. As informações são do The Washington Post

Em comparação com outras drogas – incluindo o álcool – a maconha pode ser ainda mais segura do que se pensava anteriormente. E os pesquisadores podem estar subestimando, sistematicamente, os riscos associados ao uso de bebidas alcoólicas.

Essas são as conclusões da primeira linha de pesquisa recente, publicada na revista Scientific Reports, vinculada à Nature. Os investigadores procuraram quantificar o risco de morte associado com a utilização de uma variedade de substâncias vulgarmente utilizadas. Eles verificaram que, a nível de utilização individual, o álcool foi a substância mais mortal, seguido de heroína e cocaína.

B-kKezJIIAA8TwS
Pesquisa: avaliação compara risco do álcool, tabaco, maconha e outras drogas ilícitas

E qual substância estava na parte inferior da lista? A maconha, que revelou ser cerca de 114 vezes menos mortal do que o álcool, de acordo com os autores, com cálculos que compararam doses letais de uma determinada substância com a quantidade que um usuário frequente utiliza. A maconha é também a única droga estudada que representava um risco de mortalidade baixa entre seus usuários – porém, não inexistente.

Esses achados reforçam os rankings de segurança sobre drogas desenvolvidos há 10 anos, sob uma metodologia um pouco diferente. Então, nesse sentido, o estudo é mais uma reafirmação dos resultados anteriores do que qualquer outra coisa. Mas, dados os atuais debates nacionais e internacionais sobre a legalização da maconha e os riscos associados ao seu uso, o estudo chega em um momento polêmico.

É importante notar que “mais segura do que o álcool” não significa “segura, e ponto final”. De fato, uma das linhas mais preocupantes de pensamento que percebe-se em alguns setores do movimento de legalização da maconha, é que, o fato da maconha ser “natural”, ou por ela ter a capacidade de ser usada de forma medicinal (mesmo não aprovada por vários sistemas de saúde pelo mundo), coloquem-na o status de ser segura. Veneno de cascavel também é natural, mas ninguém diria que é seguro. Analgésicos são medicinais e responsáveis por dezenas de milhares de mortes a cada ano. Portanto, estar ciente dos malefícios é importante, mesmo que em menor escala comparativa.

Há muitos riscos associados ao uso de maconha. A maioria destes riscos envolvem questões de saúde mental, que tendem a aumentar quanto mais cedo você começar a usar e pela frequência do consumo, de acordo com os últimos estudos publicados.

Dito isto, há riscos associados com, literalmente, qualquer coisa que você possa colocar em seu corpo. Comer muito açúcar é estar no caminho certo para ter dentes podres e diabetes. Abuse no sal e você terá um aumento da probabilidade de um acidente vascular cerebral.

O que é único é a forma como essas substâncias são tratadas nos termos da lei, e, particularmente, a maneira em que o álcool e a nicotina, essencialmente, obtém um passe livre sob o Ato de Substâncias Controladas, chega a não fazer sentido no âmbito legal.

Os autores desse estudo atentam que as classificações legislativas de drogas psicoativas, muitas vezes “não têm uma base científica”, e seus resultados são uma confirmação deste fato.

Dados os riscos relativos associados com a maconha e o álcool, os autores recomendam “priorização de gestão de risco frente ao álcool e ao tabaco em vez de drogas ilícitas”. E eles dizem que, quando se trata de maconha, as baixas quantidades de risco associadas com a droga “sugerem uma abordagem regulatória legal estrita, em vez da abordagem de proibição atual”.

Em outras palavras, os indivíduos e as organizações responsáveis pela legalização da maconha poderiam ter um efeito maior sobre a saúde e o bem-estar do país, deslocando a sua atenção para o álcool e cigarros, em campanhas de uso consciente ou nulo.

A matéria, veiculada no Washington Post, ainda salienta que é preciso ousadia extraordinária para protestar contra os perigos do uso da maconha e depois ir para casa relaxar com um copo de substâncias muito mais letais, vendidas no supermercado.

Tradução via R7

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here