Apoiomedicos maconha

Desde que tomou o CBD pela primeira vez, em 29 de abril, Benício, 6, teve apenas seis crises convulsivas leves. Antes, o menino sofria de cinco a seis convulsões por dia. Mesmo ilegal o pai continuará medicando seu filho. As informações são da Folha de S.Paulo.

“Sei que é crime, mas não há lei ou autoridade que vai me impedir de dar CBD ao meu filho”

Com um filho portador da síndrome de Dravet, forma grave de epilepsia, o médico do Hospital das Clínicas da UFMG Leandro Cruz Ramires, 50, encontrou na compra ilegal de um composto da maconha a solução para as crises convulsivas da criança.

Há dois meses ele importa dos EUA pastas de CBD (canabidiol), um composto não psicoativo presente na maconha. Naquele país, o produto é legal. O resultado do tratamento caseiro é filmado pelo próprio Silva, que disponibiliza os vídeos na internet.

As imagens mostram o menino Benício com crises convulsivas antes do CBD. (acesse o canal do médico no Youtube)

14207337
O médico Leandro Cruz Ramires Silva, 50, trata o filho Benício, 6, com pasta de canabidiol (CBD) misturada ao iogurte

A pasta é misturada a óleo de gergelim e colocada em iogurte. Em um dos vídeos o médico ensina como preparar a mistura. “Se eu for acusado de alguma coisa, vou embora do país”, disse. “A questão é entre a vida e a morte.”

Como não há regulamentação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), não existe a dosagem indicada a ser dada. Silva dá à criança uma quantidade que o fabricante sugere.

Pesquisas já demonstraram os efeitos terapêuticos do CBD. No Brasil, o uso é proibido pela Anvisa, mas a reclassificação do composto está em discussão.“Sei que é crime, mas não há lei ou autoridade que vai me impedir de dar CBD ao meu filho”, disse Silva.

Desde que tomou o CBD pela primeira vez, em 29 de abril, Benício, 6, teve apenas seis crises convulsivas leves.

Antes, o menino sofria de cinco a seis convulsões por dia, segundo Silva.

O menino teve a primeira convulsão aos cinco meses de idade e já foi internado 48 vezes. “Hoje ele tenta se comunicar com sons, sobe a escada, come sozinho. Ele não fazia nada disso antes”, afirmou. Além da síndrome, Benício é autista, segundo o pai.

O menino toma 15 pílulas de cinco anticonvulsivos diariamente, além de duas doses do CBD. A partir deste domingo (27), em decorrência da evolução clínica, ele deixará de tomar um dos remédios, segundo Silva.

IMPORTAÇÃO

Para importar a pasta, Silva conta com o auxílio de um amigo brasileiro que mora em Orlando. Cada tubo custa R$ 1.400. Ele deposita o valor na conta de um doleiro, que o repassa ao amigo. O tubo é descaracterizado, tornando-se semelhante a um frasco de tinta. Depois é colocado dentro de um conjunto infantil de tintas e despachado pelo serviço de correspondência, como um brinquedo.

Nesses dois meses, por intermédio do médico, o amigo já enviou ao país, clandestinamente, pasta de CBD a cerca de 30 crianças com a mesma doença de Benício.

“Sou um médico e não posso negar o benefício a outras pessoas”, afirmou.

Para diminuir os custos, ele disse que já entrou em contato com um produtor de maconha no Canadá, cuja planta é rica em CBD e pobre em THC, um psicoativo. O objetivo é comprar sementes e ele mesmo fazer a plantação da maconha e a extração do CBD.

O presidente do CRM-MG, Itagiba de Castro Filho, disse que o médico tem de procurar a Anvisa para obter a autorização para importar o CBD, e não o conselho.

Segundo ele, o fato de Leandro importar a pasta de CBD de forma clandestina não caracteriza irregularidade na atuação médica. No entanto, ele lamentou. “É triste que isso aconteça”, afirmou.

Escreva seu comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here