Apoiomedicos maconha

Lançado no Reino Unido, o equipamento sai do convencional ao substituir a maconha in natura pelo óleo de canabidiol, largamente usado para tratar doenças e melhorar a saúde. De acordo com quem testou, o equipamento não deixa o usuário chapado e funciona bem para ansiedade e depressão. As informações são do O Globo.

LONDRES – Que tal um vaporizador à base de maconha? Esse produto existe e é comercializado legalmente no Reino Unido. Batizado como MediPen, o dispositivo é semelhante aos modelos de cigarro eletrônico (aqueles cuja venda é proibida no Brasil) e promete proporcionar aos usuários “os benefícios milagrosos de saúde da cannabis” sem causar prejuízos ao organismo.

Seu ingrediente ativo é o canabidiol (CBD), um óleo extraído da planta cannabis que contém pouco ou nenhum THC (componente que causa os efeitos mais conhecidos da maconha), mas se propõe a oferecer benefícios médicos.

Em seu site, diga-se de passagem, o MediPen lista um generoso número de doenças que podem ter seus efeitos combatidos com o produto: acne, vício, anorexia, resistência aos antibióticos, ansiedade, asma, autismo, câncer, depressão, diabetes, epilepsia, fibromialgia, glaucoma, doenças cardíacas, inflamação, problemas no intestino, doença renal, doenças hepáticas, náuseas, obesidade, osteoporose, mal de Parkinson, reumatismo, esquizofrenia, doenças da pele, distúrbios do sono, estresse, entre outros.

O jornalista Christopher Hooton, do jornal britânico “The Independent” testou o produto, que custa £ 50 (R$ 293,20), e avisa logo: não deixa ninguém chapado, nem chega perto disso.

“Quanto aos efeitos medicinais, posso falar apenas sobre aqueles relacionados a ansiedade e depressão, já que tenho sofrido por alguns anos. Neste caso, o MediPen trouxe uma ligeira sensação de calma e relaxamento”, escreveu.

“Houve uma diminuição perceptível do estresse, quando usado aproximadamente no mesmo intervalo em que você fumaria um cigarro.”

Segundo ele, se o dispositivo pode ajudar em relação às outras condições e doenças citadas, é importante que mais estudos sejam realizados.

Escreva seu comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here