Todos os dias chegam brasileiros para fazer um passeio canábico no Uruguai com uma pergunta em comum: é possível mudar pro Uruguai e trabalhar em um cultivo de cannabis? Bom, depende de muitos fatores, vou tentar explicar o porque.

Trâmites legais

Não é bem assim só chegar no Uruguai para trabalhar com a erva. Muito antes de chegar tem que se regularizar no país, ou seja o primeiro passo é ter a cédula uruguaia, casa e roupa lavada. Só depois você pode se dar ao luxo de tentar encontrar um dos clubes legalizado, do contrário, um clube é ilegal é o mesmo que tráfico, inclusive se você for pego nele há grandes chances de ser deportado.

Atualmente, segundo o mais recente relatório oficial do Uruguai sobre maconha foi informado que há pouco mais de 107 clubes de cultivo de cannabis e todos eles tem uma coisa em comum: Eles já tem pessoas trabalhando lá!

Calma, não quero acabar com o sonho de ninguém! Mas temos que ser realista e nos atermos a alguns fatos que evidenciam que é complicado trabalhar em uma plantação ou clube de maconha ou growshop:

  1. O que é a cannabis para um Clube?
    Dinheiro! Clube é uma associação onde a galera divide os custos da produção e a lei obriga eles fecharem o balanço sempre no zero, isso não significa que não haja muito investimento para montar um clube até chegar no produto final, a maconha de qualidade do associado. O respeito e a responsabilidade com o dinheiro dos associados é a primeira premissa automaticamente descarta amadores, mas calma que já vou chegar lá.
  2. Segurança
    Se plantas são dinheiro há que proteger-las, certo? Isso faz com que os clubes busquem proteger-se de eventuais roubos. Afinal um quilo de flor é muito dinheiro! Você pode até achar piada, mas não é. O roubo de plantas não é uma novidade para cultivadores. Inclusive o Ministério do Interior aqui no Uruguai estabelece que a colheita de cannabis, artefatos e acessórios destinados ao cultivo e são propriedade privada e estão protegidos pela legislação vigente.  Inclusive, já tentaram roubar até mesmo a maconha no governo aqui no Uruguai.

    Cultivo Profissional de Cannabis requer até vestimenta especializada.
    Cultivo Profissional de Cannabis requer até vestimenta especializada.
  3. Mercado Fechado
    O fato de ter dinheiro de muitas gente envolvido e a necessidade de segurança faz com que este terceiro fator seja uma caracteristica de todos clubes. Os clubes são organizados desde um princípio então é muito raro ou quase uma sorte “ficar amigo” de um clube e ainda cair nas graças da contratação.
  4. Cultivadores Amadores vs Cultivadores Profissionais
    O fator experiência que citei acima vem agora… A menos que você seja agrônomo ou biólogo formado, ainda assim será necessário você ter uma vasta experiência com cannabis e mais, que os responsáveis pelo clube saibam disso.
  5. Mas talvez você possa trabalhar com cannabis…
    Pode ser que dê! Posso contar nos dedos o número de amigos meus conseguiram realizar este feito. Na maioria todos já eram Canabistas e inclusive cultivavam no Brasil, vieram para cá, enfrentaram vários perrêngues como por exemplo trabalhar em outras áreas até conseguir trabalhar no setor canábico.
  6. Vou aí montar um clube. #Comofaz?
    Vish, esse é outra ideia que eu vivo escutando, há também os que querem comprar um campo e plantar maconha, fazer uma comunidade autosustentável de cannabis… A galera pergunta sem pensar, isso porque fazer tudo isso envolve não só dominar as técnicas de cultivo, envolve relacionamento, muito dinheiro, conhecer a econômia local, dominar o idioma e leis locais entre outros. Difícil.
  7. Mas não desista dos seus planos!
    Não quero acabar com o seu sonho de trabalhar com maconha aqui no Uruguai (risos), por isso deixei essa parte por último. Você é o representante dos teus sonhos na terra. Faça valer essa sua vida!

    Se você está de férias no Uruguai e quer conhecer aqui. Faça um turismo canábico com o WeedTour. Recomendo!

Escreva seu comentário

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here