Apoiomedicos maconha

O Brasil possui uma Secretaria responsável pela Política sobre Drogas, a SENAD. Entre as competências da SENAD, podemos destacar que ela é responsável por “desenvolver e coordenar atividades relativas à definição, …, procedimentos e políticas públicas sobre drogas”.

Durante o ano de 2015, a SENAD representada por Vitore Maximiliano e foi ativa, apoiando as famílias no relacionamento e articulação com o CFM, ANVISA, Receita Federal e diversos gestores públicos na reclassificação do CBD e simplificação dos processos de importação dos medicamentos, cumprindo dessa forma seu papel como Órgão Público e articulador das Políticas Sobre Drogas.

Na foto da esquerda para direita: Dr. Leandro Ramires, Cel. Roberto Alegretti, Norberto Fischer e Prof. Dr. Renato Malcher.
Na foto da esquerda para direita: Dr. Leandro Ramires, Cel. Roberto Alegretti, Norberto Fischer e Prof. Dr. Renato Malcher.

Na época, a SENAD conversava sistematicamente com as famílias e as ONG, que estavam surgindo, em relação às articulações necessárias para que pudéssemos avançar também em aspectos relacionados com a produção nacional, auto cultivo e até mesmo sobre a descriminalização do uso de drogas. Com a instabilidade política e atual mudança de governo, aconteceu naturalmente a troca do SENAD assumindo a “pasta” o senhor Roberto Alegretti, coronel da reserva.

No dia 15 de Setembro, tivemos a oportunidade de conversar com o novo Secretário, foram horas de conversa, onde apresentamos a situação das famílias no Brasil, que precisam de derivados da maconha para se tratar, aspectos relacionados com o tráfico e o papel do SENAD nesse cenário.

Podemos destacar da reunião:

  • Interesse do Secretário em relação às pesquisas que estão sendo desenvolvidas no Brasil;
  • A preocupação do Secretário que o SENAD possa continuar contribuindo de forma segura e estruturada com as famílias;
  • Explanação do Professor e Neurocientista, Renato Malcher sobre a fisiologia do sistema endocanabinoide;

Explanação da situação dos pacientes no Brasil, feita pelo Dr. Leandro Ramires, com indicação do site da amame.org.br, como fonte de consulta para o Secretário.

Depois de horas de conversa, acreditamos que ficou claro para o Secretário que existe a necessidade de avançarmos com uma regulação que venha permitir uma Produção Nacional.

Para que tenhamos condições de contribuir com a regulação, foi solicitado ao Secretário que as famílias possam ter assento oficial, com direito a voto, no CONAD (Conselho Nacional de Política Sobre Drogas), tendo sido indicado o Dr. Leandro Ramires para vaga de conselheiro e eu, Norberto Fischer como suplente e representante em Brasília, no entanto ainda precisamos aguardar a resposta do Ministro da Justiça que é o atual presidente do CONAD.

Sabemos que são assuntos polêmicos que envolvem a Política Sobre Drogas e o uso medicinal da maconha, mas precisamos continuar avançando. Para isso, é preciso estar preparado e disposto a negociar, sempre!

Se não avançarmos estaremos, na verdade, retrocedendo.

#PenseNisso

Mestre em Engenharia de Produção pela UFSC, consultor empresarial, professor universitário e funcionário de carreira da CAIXA. Pai da Anny Fischer, primeira brasileira autorizada judicialmente a importar derivado da maconha para uso medicinal. Casado com Katiele Bortoli, a familia luta unida pelo direito ao acesso de todos e da livre escolha em como se tratar: importando, produzindo no Brasil, laboratório ou auto cultivo da maconha.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here