Apoiomedicos maconha

Nos dias 30 e 31 de março, a Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal debateu o PLC 37/2013, que trata de intensificar o combate às drogas em cima do endurecimento ainda mais das penas com relação ao tema.

Com o foco da discussão voltado à intensificação do combate às drogas, a primeira audiência da Comissão de Educação e Esporte do Senado Federal que debate a PLC 37/2013, que ocorreu na quarta-feira (30) às 10h, contou com a presença dos convidados Luís Fernando Tófoli (Professor Doutor da Universidade Estadual de Campinas – Unicamp), Ronaldo Laranjeira (Professor da Unifesp) e Sérgio de Paula Ramos (Médico Psiquiatra Especialista em Álcool e Drogas).

maconha-senado-romario

Os convidados dividiram opiniões quando o assunto foi a maconha. Para Tófoli, não há relação nenhuma entre liberação e o aumento ou diminuição do consumo, destacando que a violência é originária exatamente da proibição. Já Ronaldo Laranjeira, ressaltou que, mesmo com a legalização da maconha, locais como o Colorado (EUA) viram o tráfico de drogas local aumentarem significativamente, dados que o SmokeBud desmente.

Já na segunda audiência, que foi realizada nesta quinta-feira (31) com início às 10h que durou mais de 2 horas e vinte, o debate focou principalmente na maconha medicinal. Para esta, compareceram os convidados representantes do Ministério da Saúde, Valencius Wurch e Leandro da Costa Fialhodo Coordenador-Geral de Educação Integral do Ministério da Educação – MEC. Também participou o advogado Emílio Figueiredo, do GrowroomMauro Leno da Revista SemSemente e o presidente da Associação Multidisciplinar de Estudos sobre Maconha Medicinal (AMEMM), Sérgio Vidal.

O autor do projeto, deputado Osmar Terra (PMDB-RS), que acompanhou o debate, apelou pela manutenção do texto como veio da Câmara. Contrário à legalização drogas, ele observou que legislação atual já é suficientemente protetiva com os usuários, que são livres de prisão, respondendo pelo crime apenas com medidas socioeducativas.

Depois da votação na CE, a matéria será ainda avaliada em outras três comissões: Assuntos Econômicos (CAE); Assuntos Sociais (CAS); e Direitos Humanos (CDH).

Assista na íntegra o Debate (31) divulgado pela TV Senado:

10 COMENTÁRIOS

  1. 99% dos que são contra a maconha nunca fumaram! Legalize porque nao mata!
    Sobre fazer mal eu gostaria de lembrar que o leite é o alimento mais completo, no entanto existem pessoas que se sentem mal se beberem, queremos liberdade e menos IGNORANCIA!

  2. Este primeiro médico que deu sua posição, é um salafrário desgraçado, defendendo a MERDA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA, está tão preocupado no mercado bilionário que está sendo tomado pela Cannabis por algum motivo, e é claro que suas pernas tremem ao saber que a Indústria Farmacêutica irá perder força, jamais ele, junto com sua manada de manipuladores, irão querer que você tenha uma planta com diversas propriedades medicinais dentro de sua casa, isso é muito óbvio, enquanto ela é proibida injustamente, sem falar nos malefícios que a proibição trás.

    O Brasil regride cada vez mais por canalhas como este, que só pensam no seu sustento, hipócrita filho duma porca.

    • Eu sou estudante de medicina, tô aqui com um blackbook de clínica médica com, no mínimo, três páginas de remédios psiquiátricos que poderiam ser substituídos pela cannabis, imagina o quanto eles perderiam se a gente pudesse plantar.

  3. Nunca vi um leigo como o Osmar Terra falar tanta asneira sobre a Cannabis…até iria rebater todos seus argumentos e com fontes de estudos aprovados pelo Depart. de Saúde dos EUA, mas não tenho paciência, até porque meu rebatimento não iria ter repercussão nem um pouco grande…amanhã talvez o Alô Senado ouvirá algumas críticas em prol deste mesmo deputado.

  4. “Não existe Maconha medicinal” diz o sábio Dr. Sérgio, que ainda tem a audácia de se declarar um doutor. Caro Sérgio, percebas o quão leigo você é sobre o assunto e que você está passando vergonha, ao mostrar que um ser em seu cargo possa ter uma desinformação ou simplesmente uma ignorância banal sobre algo do gênero. Afirme logo que seus interesses são econômicos, afirme logo que teme que sua indústria perca potência…

    “Alguns subprodutos da Maconha…1 ou 2 canabinóides no máximo separados totalmente do THC para raras doenças…em forma de pílulas”, diz, “Dr.” Sérgio, comprovando seu raso conhecimento sobre a Cannabis medicinal e mostrando o quão sua ignorância fala alto. Por favor, saia deste cargo de doutor, você não é um doutor, você é um proibicionista, tendencialista, manipulador, ignorante e desinformado.

    E com apenas 3 informações, seus argumentos se vão por água de esgoto:
    1 – Existem diversos canabinóides com propriedades medicinais.
    2 – O próprio THC também possui diversas propriedades medicinais, e uma delas é causar a autodestruição de células cancerígenas.
    3 – A Maconha que for usada de forma fumada, não perde suas propriedades medicinais.

  5. Sempre que vejo gente com títulos na área médica falando desse jeito dá uma tristeza absurda, uma pena isso ser uma coisa institucionalizada, na faculdade de medicina o que mais tem são futuros médicos que são contra, não se informam sobre o assunto e ainda advogam a favor do proibicionismo, o que me alegra é chegar aqui nos comentários e ver tanta gente bem informada.

  6. Não uso drogas, mass sou a favor da legalização da canabis, primeiramente o pais não tem direito de min dizer oque fazer com meu corpo, ja cançei de ver manos toma porrada de poliçia por tar fumando canabis, O tabaco eles deixam consumindo o povo de pouco a pouco mais de 7300 substançias toxicas, Bebidas não vou nem falar. politicos cai na real o pais ja uma bosta, na verdade sempre foi uma bosta Nos estados unidos Eles recadaram 3 bilhões de dolares em um ano com a produção e a venda de canabis, seria uma grande porta de escape dessa crise. Poisé Vai atraz de ladrão ficar perdendo tempo com um rapaz que fica fumando maconha vai pegar bandido matador.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here